Perfis digigráficos: comportamento

Por Cíntia Souza – 02/12/2016.

Há quatro anos, a agência DM9 apresentou um conceito inovador sobre o comportamento digital. A agência passou a chamar aquela descoberta, realizada por meio de pesquisa e observação, de perfil digigráfico. O resultado da nova definição alterou significativamente a forma como as empresas e especialistas lidam com o usuário da internet até os dias de hoje. Você já deve ter percebido como a inovação tecnológica acelera as mudanças no nosso comportamento, certo? Beleza. Então, será que esse novo comportamento digital está moldando nossa identidade?

Você sabe qual é o seu perfil digigráfico? Assista aí esse o vídeo e comente com a gente com qual deles você mais se identifica. Se é que se identifica, rsrs.

 

Os critérios que a pesquisa da DM9 utilizou para definir os novos perfis, levam em consideração a frequência, a forma e o propósito do usuário ao utilizar a internet, e deixa de lado as diferenças de gênero, faixa etária e classe social. É mesmo interessante. Já pensou se o IBGE incluísse os mesmo indicativos nas pesquisas demográficas? Hum…deixa pra lá!

Pois bem, essa observação é o que nós aqui da agência Crível também levamos em consideração a cada nova campanhas de marketing digital. Essas informações nos servem de subsídios para entendermos melhor o comportamento do nosso público alvo, e assim obtermos sucesso na construção de nossos relacionamentos.

Como acontece na prática?

Quando promovemos uma campanha na internet (por meio das mídias sociais, por exemplo), seja para atrair novos clientes, fidelizá-los ou lançar produtos e serviços (posicionando a marca no mercado) fazemos um estudo prévio sobre o comportamento digital do nosso público alvo para encontrá-lo na rede, atraí-lo e envolvê-lo a fim de atingirmos nossas metas. É nesse processo que utilizamos, além de conteúdo estratégico, ferramentas de otimização, como as disponíveis nas plataformas do Facebook (Ads) e o Google (AdWords). Essas ferramentas também nos fornecem dados, que chamamos de métricas, que servem para conduzirmos e avaliarmos a performance da nossa campanha.

Parece difícil? Não é! Com profissionais competentes à frente de um planejamento estratégico ideal, que leve em consideração as metas do seu empreendimento,

Para saber mais sobre os perfis digigráficos acesse: Os Perfis Digigráficos


 

Ausência do PICE na comunicação

Como a ausência do PICE afeta o desempenho da comunicação organizacional
Da Redação – Em 26/06/2016

Tenho 36 anos e estou à frente de uma empresa muito jovem na iniciativa privada, especificamente no ramo da comunicação corporativa. Embora já faça algum tempo que as habilidades da nossa equipe foram testadas e aprovadas no ambiente das instituições públicas, circunstâncias que, vale dizer, alimentavam o nosso sonho de um dia empreender, nossa recém jornada segue balizada em propósitos sólidos.

Não à toa, tudo o que fazemos ou somos é fruto de muita paixão e dedicação, mas sobretudo da crença que temos em transformar o mundo em um lugar de sonhos possíveis. Acreditamos que o empreendedorismo inovador, ecologicamente consciente, aliado às novas tecnologias são capazes de prover isso.

A comunicação social é a ferramenta que faz plasmar a essência da nossa alma, transcendendo em conexão ativa para além daquilo que queremos alcançar: a satisfação em superar metas.

Agora que já nos apresentamos, vamos falar sobre PICE

PICE é a sigla que define o Plano Integrado de Comunicação Empresarial, uma poderosa ferramenta utilizada para elevar os resultados de comunicação interna e externa das empresas. É fato que o PICE ainda não tem lugar cativo nas instituições privadas na maioria dos estados brasileiros. No entanto, o cenário está mudando devido sua importância ser tão vital quanto o próprio plano de negócio de qualquer empreendimento. Acompanhe nosso argumento:

Imagine uma empresa que não se comunica eficientemente com seus colaboradores, fornecedores ou com os próprios consumidores. Imagine como essa empresa está posicionada no mercado. Quais são suas chances de permanência num ambiente competitivo.

Ivy Lee iniciou as atividades de relações públicas, em 1906, nos EUA, e de lá para cá a evolução da comunicação corporativa só despontou para valer no início do século XXI. Desde então, o PICE tem sido aplicado com maior frequência principalmente como investimento para busca de novas oportunidades no ambiente de negócios e aperfeiçoamento do desempenho competitivo das empresas, por meio dos estímulos junto aos colaboradores, fornecedores, parceiro e público interno/externo. Ou seja, é estratégia organizacional.

Um PICE bem elaborado, executado por uma Assessoria de Comunicação deve reunir a excelência dos setores da Assessoria de imprensa, Relações Públicas, Endomarketing, englobando todas as ações de Comunicação Mercadológica (Publicidade e Propaganda, e é claro o Marketing Digital – Inbound Marketing).

Percebeu a importância do PICE para o sucesso do seu empreendimento? Quer saber mais? Entre em contato, vamos tomar um café.


 

capa-responsiva